terça-feira, 30 de outubro de 2018

DOSSIÊ DRUMMOND : "Para mim, não há maiores poetas. Há poetas. E cada poeta é diferente dos outros."






DOSSIÊ DRUMMOND 
(capa) 
- Reportagem biográfica 
de Geneton Moraes Neto 
(Editora Globo, 2a. edição, 2010
- São Paulo, SP)



         Geneton Moraes Neto : 

          - O fato de ser considerado unanimemente o maior poeta brasileiro não é um acontecimento importante para o senhor ?

          Carlos Drummond de Andrade : 
          
          - (...) 
            "A maioria das pessoas que me consideram o maior poeta brasileiro não leu o que escrevi ! Ouviu falar. Como acham que fulano de tal é o maior craque do futebol, o outro fulano é o maior compositor, o outro é o maior pintor, eu fiquei sendo o maior poeta por um julgamento que não é um julgamento literário : é uma opinião transmitida socialmente, mas sem nenhuma ponderação crítica. Nunca me julguei nem julgo, e digo mais : não sei qual é o maior poeta brasileiro de hoje nem de ontem.  Para mim, não há maiores poetas.  Há poetas. E cada poeta é diferente dos outros.  Se não for diferente e se não transmitir uma forma particular e uma maneira especial de sentir, ver e manifestar poesia, ele não é poeta.  Então, temos um poeta como Gonçalves Dias, um grandessíssimo poeta.  Mário de Andrade é outro - um notável poeta.  Manuel Bandeira...eles não são parecidos uns com os outros. Se são parecidos é porque um copiou e imitou o outro.  Nesse caso, não é tão bom quanto o anterior."    
     

          

domingo, 2 de setembro de 2018

JOSÉ EDUARDO DEGRAZIA : "A FORÇA DO POEMA..."






José Eduardo Degrazia
(Porto Alegre, RS) 



A FORÇA DO POEMA 
E/OU SUA SEM-CERIMÔNIA   


O poema 
entrou em mim 


como se 
derrubasse a porta 
de uma casa  


ou simplesmente 
enrolasse os pés 
no tapete  


e caísse 
sobre o peito 
de um homem.  


Só arestas, 
seco, ácido 
de um lado, 


duro: pedra, 
afiado: faca, 
explosivo: obus, 


não deixou 
alternativa: detoná-lo 
no branco da página.     



(Transcrito do livro "Lavra Permanente" 
- Editora Movimento, Porto Alegre, RS, 1975) 



__________________________________________________
JOSÉ EDUARDO DEGRAZIA - Nasceu em Porto Alegre, RS, 
no ano de 1951. Tem mais de 20 livros de poesia, contos 
e novelas publicados. Livros de  poesia : Lavra Permanente 
(1975), Cidade Submersa (1979), A Porta do Sol (1982), 
O Amor Essa Palavra (1992), Um Animal Espera (2011), 
entre outros.  Participa de mais de 30 antologias nacionais 
e estrangeiras. Tem livros traduzidos para o espanhol, 
italiano, francês, inglês e esloveno.   





sábado, 7 de julho de 2018

JORGE LUÍS BORGES : "A poesia pode saltar sobre nós a qualquer instante"







Jorge Luís Borges, 
poeta, contista, tradutor, 
crítico literário e ensaísta argentino
(1899 - 1986) 



          "Passamos à poesia; passamos à vida.  E a vida, tenho certeza, é feita de poesia.  A poesia não é alheia - a poesia, como veremos, está logo ali, à espreita.  Pode saltar sobre nós a qualquer instante.  Ora, tendemos a fazer uma confusão corriqueira.  Pensamos, por exemplo, que se estudarmos Homero, ou a Divina Comédia, ou Frei Luís de León, ou Macbeth, estaremos estudando poesia. Mas os livros são somente ocasiões para a poesia.  Creio que Emerson escreveu em algum lugar que uma biblioteca é um tipo de caverna mágica cheia de mortos.  E aqueles mortos podem ser ressuscitados, podem ser trazidos de volta à vida quando se abrem as suas páginas.  Falando sobre o bispo Berkeley 
(que, permitam-me lembrar, foi um profeta da grandeza dos Estados Unidos), lembro que ele escreveu que o gosto da maçã não estava nem na própria maçã - a maçã não pode ter gosto por si mesma - nem na boca de quem come.  É preciso um contato entre elas.  O mesmo acontece com um livro ou uma coleção  deles, uma biblioteca.  Pois o que é um livro em si mesmo ? Um livro é um objeto físico num mundo de objetos físicos.  É um conjunto de símbolos mortos.  E então aparece o leitor certo, e as palavras - ou, antes, a poesia por trás das palavras, pois as próprias palavras são meros símbolos - saltam para a vida, e temos uma ressurreição da palavra." 



(Trecho de O Enigma da Poesia / 
 Reprodução do blog de Luiz Alberto Machado 
- http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br ) 
  

quarta-feira, 13 de junho de 2018

MANUEL ALEGRE : A POESIA É UM TERRITÓRIO "DE DEFESA DA LIBERDADE DE ESCOLHA DE CADA POVO"






Manuel Alegre, poeta português, 
Prêmio Camões 2017 




          "Nesta era da globalização e de um novo bezerro de ouro, em que o poder financeiro impõe a sua hegemonia sobre a política, a democracia, a cultura e os próprios Estados, a literatura e, em especial, a poesia, podem ser ainda um território de resistência contra o pensamento único e de defesa da liberdade de escolha de cada povo."   

          Manuel Alegre lembrou que a Língua Portuguesa "anda pelos cinco continentes, língua de diferentes identidades e culturas, em que as vogais não têm todas a mesma cor.  E em que as consoantes, como se sabe, em Portugal assobiam, na África cantam e no Brasil dançam."   

          O ministro da Cultura disse que a Academia das Ciências de Lisboa indicou para a lista do Nobel de Literatura os nomes de Agustina Bessa-Luís e Manuel Alegre.    



______________________________________________
Transcrito do site TSF - Rádio de Notícias  (www.tsf.pt) 

          

sábado, 28 de abril de 2018

SEBASTIÃO VILA NOVA : "De poetas e de poesia"






SEBASTIÃO VILA NOVA  
(Sociólogo da Fundação Joaquim Nabuco 
e professor da UNICAP, do Recife - PE) 



          (...) Afinal, esse negócio de fazer poesia, como se entende comumente a poesia, é uma temeridade, uma loucura.  É coisa para abalar a reputação de qualquer um.  Antes de mais nada, porque fazer poesia é subverter uma das coisas mais caras ao homem, o seu instrumento básico de comunicação: a linguagem verbal.  Por isso é que a poesia, a partir do fato de que ela se baseia na subversão do sentido cotidiano das palavras, é uma atividade não só marginal, mas antissocial.  Por isso, também, é que quem se mete com esse negócio de andar fazendo e principalmente publicando poesia deve ter a consciência do estigma que a sociedade reserva a esse tipo de transgressor.   A maioria das pessoas, os homens "sérios" e práticos, os sensatos, os virtuosos de domingo costumam olhar, no mínimo com tolerância, quando não com desdém, para quem perde seu tempo com essa "coisa inútil".  Quem não sabe o que é que se quer dizer quando se afirma, em geral com algum desprezo mal disfarçado em condescendência, que "fulano é um poeta" ? 

           (...) Mas acontece que a poesia, toda poesia, guarda a mesma atenção, a mesma valorização dos sentimentos como é própria da juventude.  A poesia, afinal, guarda a mesma valorização do sonho como uma possibilidade concretizável.  

          Mas, para o "filisteu", toda arte, e não só a poesia, é apenas uma coisa tolerável.  Como também quem a faz.  Ele é incapaz de compreender o quanto poesia e poeta jamais serão demais no mundo.  Porque, como dizia Elliot, apreendendo ou atribuindo novos matizes de significado às palavras, o poeta concorre para o refinamento da sensibilidade dos homens e, portanto, para o aperfeiçoamento do convívio, para a civilização.  E por isso é que a poesia, acho que Elliot tinha razão, tem uma função social.    

(Crônica publicada no DIARIO DE PERNAMBUCO, 
 5 de janeiro de 1984 / Transcrita do livro A VOLTA DO CIGANO 
- Crônicas, artigos e entrevistas literárias de Sebastião Vila Nova - 
 Fundação Joaquim Nabuco / Editora Massangana, Recife, PE, 2016)

_________________________________________________________
SEBASTIÃO VILA NOVA, alagoano de nascimento (1944). 
Poeta, cronista, sociólogo, professor, 
publicou, entre outros, estes livros : INTRODUÇÃO À 
SOCIOLOGIA, SOCIOLOGIAS E PÓS-SOCIOLOGIAS 
EM GILBERTO FREYRE; e DONALD PIERSON E 
A ESCOLA DE CHICAGO NA SOCIOLOGIA BRASILEIRA: 
ENTRE HUMANISTAS E MESSIÂNICOS.  
Em 2002, recebeu o título de "Cidadão Pernambucano", 
concedido pela Assembléia Legislativa do Estado. 
Faleceu, no Recife, no início deste ano de 2018. 





terça-feira, 20 de março de 2018

DIA DO POETA (14 de Março, 2018) - Teresinka Pereira







Teresinka Pereira, poetisa e tradutora 
(Brasil - Estados Unidos) 




A PALAVRA RENASCE 
NA VOZ DE UM POETA 
QUE RESPIRA EMOÇÕES  
EM RITMO DE SABEDORIA.  



O POETA TEM ALMA 
DE ARTISTA E ANJO: 
O MUNDO E O CÉU 
ABENÇOAM SEU TEMPO 
INTEIRO EM UM SÓ DIA.  





_____________________________________________________
TERESINKA PEREIRA nasceu no Brasil e tem residência 
nos Estados Unidos desde a época da ditadura militar 
(década de 1960). 
É presidente da Associação Internacional de Escritores 
e Artistas (IWA), organização que reúne mais de 1.400 
membros nos cinco continentes. Escreve e publica poemas 
em português, espanhol e inglês.  
Poetisa e tradutora, divulga a poesia brasileira entre os 
povos dos países, por onde sempre viaja, em busca de 
novas experiências de vida e de arte poética.   

sexta-feira, 2 de março de 2018

JOSÉ GOMES FERREIRA : "VAI-TE, POESIA !"





JOSÉ GOMES FERREIRA  
(Parque dos Poetas, 
Oeiras, Lisboa, Portugal) 



VAI - TE, POESIA ! 



Deixa-me ver a vida
exacta e intolerável
neste planeta feito de carne humana a chorar
(...)


Vai-te, Poesia ! 


Não quero cantar. 
Quero gritar ! 



______________________________________________________
JOSÉ GOMES FERREIRA  -  Poeta português, nascido em Porto 
no dia 9 de junho de 1900, faleceu, aos 84 anos, no dia 8 
de fevereiro de 1985, em Lisboa. Também ficcionista, cronista, 
ensaísta e tradutor, publicou mais de 35 livros.  
Em 1978 foi projetada, em Lisboa, pelo seu filho Raul Hestnes 
Ferreira, a Escola Secundária de Benfica, que, em sua homenagem, 
recebeu a denominação de Escola Secundária de José Gomes 
Ferreira.  

(Mais informações : http://pt.wikipedia.org/wiki/Jose_Gomes_Ferreira#Obra)