sábado, 7 de julho de 2018

JORGE LUÍS BORGES : "A poesia pode saltar sobre nós a qualquer instante"







Jorge Luís Borges, 
poeta, contista, tradutor, 
crítico literário e ensaísta argentino
(1899 - 1986) 



          "Passamos à poesia; passamos à vida.  E a vida, tenho certeza, é feita de poesia.  A poesia não é alheia - a poesia, como veremos, está logo ali, à espreita.  Pode saltar sobre nós a qualquer instante.  Ora, tendemos a fazer uma confusão corriqueira.  Pensamos, por exemplo, que se estudarmos Homero, ou a Divina Comédia, ou Frei Luís de León, ou Macbeth, estaremos estudando poesia. Mas os livros são somente ocasiões para a poesia.  Creio que Emerson escreveu em algum lugar que uma biblioteca é um tipo de caverna mágica cheia de mortos.  E aqueles mortos podem ser ressuscitados, podem ser trazidos de volta à vida quando se abrem as suas páginas.  Falando sobre o bispo Berkeley 
(que, permitam-me lembrar, foi um profeta da grandeza dos Estados Unidos), lembro que ele escreveu que o gosto da maçã não estava nem na própria maçã - a maçã não pode ter gosto por si mesma - nem na boca de quem come.  É preciso um contato entre elas.  O mesmo acontece com um livro ou uma coleção  deles, uma biblioteca.  Pois o que é um livro em si mesmo ? Um livro é um objeto físico num mundo de objetos físicos.  É um conjunto de símbolos mortos.  E então aparece o leitor certo, e as palavras - ou, antes, a poesia por trás das palavras, pois as próprias palavras são meros símbolos - saltam para a vida, e temos uma ressurreição da palavra." 



(Trecho de O Enigma da Poesia / 
 Reprodução do blog de Luiz Alberto Machado 
- http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br ) 
  

quarta-feira, 13 de junho de 2018

MANUEL ALEGRE : A POESIA É UM TERRITÓRIO "DE DEFESA DA LIBERDADE DE ESCOLHA DE CADA POVO"






Manuel Alegre, poeta português, 
Prêmio Camões 2017 




          "Nesta era da globalização e de um novo bezerro de ouro, em que o poder financeiro impõe a sua hegemonia sobre a política, a democracia, a cultura e os próprios Estados, a literatura e, em especial, a poesia, podem ser ainda um território de resistência contra o pensamento único e de defesa da liberdade de escolha de cada povo."   

          Manuel Alegre lembrou que a Língua Portuguesa "anda pelos cinco continentes, língua de diferentes identidades e culturas, em que as vogais não têm todas a mesma cor.  E em que as consoantes, como se sabe, em Portugal assobiam, na África cantam e no Brasil dançam."   

          O ministro da Cultura disse que a Academia das Ciências de Lisboa indicou para a lista do Nobel de Literatura os nomes de Agustina Bessa-Luís e Manuel Alegre.    



______________________________________________
Transcrito do site TSF - Rádio de Notícias  (www.tsf.pt) 

          

sábado, 28 de abril de 2018

SEBASTIÃO VILA NOVA : "De poetas e de poesia"






SEBASTIÃO VILA NOVA  
(Sociólogo da Fundação Joaquim Nabuco 
e professor da UNICAP, do Recife - PE) 



          (...) Afinal, esse negócio de fazer poesia, como se entende comumente a poesia, é uma temeridade, uma loucura.  É coisa para abalar a reputação de qualquer um.  Antes de mais nada, porque fazer poesia é subverter uma das coisas mais caras ao homem, o seu instrumento básico de comunicação: a linguagem verbal.  Por isso é que a poesia, a partir do fato de que ela se baseia na subversão do sentido cotidiano das palavras, é uma atividade não só marginal, mas antissocial.  Por isso, também, é que quem se mete com esse negócio de andar fazendo e principalmente publicando poesia deve ter a consciência do estigma que a sociedade reserva a esse tipo de transgressor.   A maioria das pessoas, os homens "sérios" e práticos, os sensatos, os virtuosos de domingo costumam olhar, no mínimo com tolerância, quando não com desdém, para quem perde seu tempo com essa "coisa inútil".  Quem não sabe o que é que se quer dizer quando se afirma, em geral com algum desprezo mal disfarçado em condescendência, que "fulano é um poeta" ? 

           (...) Mas acontece que a poesia, toda poesia, guarda a mesma atenção, a mesma valorização dos sentimentos como é própria da juventude.  A poesia, afinal, guarda a mesma valorização do sonho como uma possibilidade concretizável.  

          Mas, para o "filisteu", toda arte, e não só a poesia, é apenas uma coisa tolerável.  Como também quem a faz.  Ele é incapaz de compreender o quanto poesia e poeta jamais serão demais no mundo.  Porque, como dizia Elliot, apreendendo ou atribuindo novos matizes de significado às palavras, o poeta concorre para o refinamento da sensibilidade dos homens e, portanto, para o aperfeiçoamento do convívio, para a civilização.  E por isso é que a poesia, acho que Elliot tinha razão, tem uma função social.    

(Crônica publicada no DIARIO DE PERNAMBUCO, 
 5 de janeiro de 1984 / Transcrita do livro A VOLTA DO CIGANO 
- Crônicas, artigos e entrevistas literárias de Sebastião Vila Nova - 
 Fundação Joaquim Nabuco / Editora Massangana, Recife, PE, 2016)

_________________________________________________________
SEBASTIÃO VILA NOVA, alagoano de nascimento (1944). 
Poeta, cronista, sociólogo, professor, 
publicou, entre outros, estes livros : INTRODUÇÃO À 
SOCIOLOGIA, SOCIOLOGIAS E PÓS-SOCIOLOGIAS 
EM GILBERTO FREYRE; e DONALD PIERSON E 
A ESCOLA DE CHICAGO NA SOCIOLOGIA BRASILEIRA: 
ENTRE HUMANISTAS E MESSIÂNICOS.  
Em 2002, recebeu o título de "Cidadão Pernambucano", 
concedido pela Assembléia Legislativa do Estado. 
Faleceu, no Recife, no início deste ano de 2018. 





terça-feira, 20 de março de 2018

DIA DO POETA (14 de Março, 2018) - Teresinka Pereira







Teresinka Pereira, poetisa e tradutora 
(Brasil - Estados Unidos) 




A PALAVRA RENASCE 
NA VOZ DE UM POETA 
QUE RESPIRA EMOÇÕES  
EM RITMO DE SABEDORIA.  



O POETA TEM ALMA 
DE ARTISTA E ANJO: 
O MUNDO E O CÉU 
ABENÇOAM SEU TEMPO 
INTEIRO EM UM SÓ DIA.  





_____________________________________________________
TERESINKA PEREIRA nasceu no Brasil e tem residência 
nos Estados Unidos desde a época da ditadura militar 
(década de 1960). 
É presidente da Associação Internacional de Escritores 
e Artistas (IWA), organização que reúne mais de 1.400 
membros nos cinco continentes. Escreve e publica poemas 
em português, espanhol e inglês.  
Poetisa e tradutora, divulga a poesia brasileira entre os 
povos dos países, por onde sempre viaja, em busca de 
novas experiências de vida e de arte poética.   

sexta-feira, 2 de março de 2018

JOSÉ GOMES FERREIRA : "VAI-TE, POESIA !"





JOSÉ GOMES FERREIRA  
(Parque dos Poetas, 
Oeiras, Lisboa, Portugal) 



VAI - TE, POESIA ! 



Deixa-me ver a vida
exacta e intolerável
neste planeta feito de carne humana a chorar
(...)


Vai-te, Poesia ! 


Não quero cantar. 
Quero gritar ! 



______________________________________________________
JOSÉ GOMES FERREIRA  -  Poeta português, nascido em Porto 
no dia 9 de junho de 1900, faleceu, aos 84 anos, no dia 8 
de fevereiro de 1985, em Lisboa. Também ficcionista, cronista, 
ensaísta e tradutor, publicou mais de 35 livros.  
Em 1978 foi projetada, em Lisboa, pelo seu filho Raul Hestnes 
Ferreira, a Escola Secundária de Benfica, que, em sua homenagem, 
recebeu a denominação de Escola Secundária de José Gomes 
Ferreira.  

(Mais informações : http://pt.wikipedia.org/wiki/Jose_Gomes_Ferreira#Obra)



terça-feira, 23 de janeiro de 2018

DEOLINDO TAVARES : "Sou o maior de todos os descobridores"





DEOLINDO TAVARES 
(Nascido no Recife, em dezembro/1918, 
faleceu no Rio de Janeiro, RJ, 
aos 24 anos de idade) 




O POETA 


Sou mais pobre do que Job. 
Sou mais rico do que Salomão. 
Sou um poeta. Sou o maior de todos os descobridores. 
Sem navio, sem bússola e sem leme, 
descubro istmos e estradas. 
Posso ser amado e odiado, condenado e insultado, 
sem odiar, sem condenar, sem insultar. 
Sei tão somente amar e perdoar. 
Não tenho castelos, nem rosas, nem amores, 
mas, em misterioso sonho, 
ora passeio no carro de Salomão, 
ora durmo sobre as cinzas de Job. 
Alimento-me de céu, de flores e da beleza eterna
das paisagens de Deus;
adormeço num som, 
desperto numa cor, 
morro afogado no mar de uma inesperada estrela. 
Para mim não há, nem ontem, nem amanhã, nem depois, 
vida e morte, alegria nem dor.  
Para mim o dia é uma eternidade. 
A eternidade o menor tempo; 
para mim o tempo não existe, 
pois rasguei todos os calendários do mundo. 
Um dia, tendo as mãos límpidas, a alma serena 
e pureza em meu coração,
caminharei em firmes passos para o céu de Cristo ou de Maomé.   


_______________________________________________________
Transcrito do livro POESIAS, de Deolindo Tavares  
- Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria de Turismo, 
Cultura e Esportes / FUNDARPE / 
CEPE - Companhia Editora de Pernambuco
( Recife, PE, 3a. edição, 1988)  

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

YEVTUSHENKO : "AUTOBIOGRAFIA PRECOCE"






AUTOBIOGRAFIA PRECOCE, 
de Yevtushenko 
(capa) 
- Editora Brasiliense, São Paulo, 
2a. edição, 1987 


          ........................................................................................................
          
       Para os leitores ocidentais, a afirmação poderá parecer pretensiosa, mas é necessário compreender que o poeta, na Rússia, desempenha um papel diferente dos poetas de outros países.  Na língua russa, a palavra poeta é quase sinônimo de combatente. 

          Em nenhuma outra nação do mundo a poesia tem uma tradição tão ligada à política.  Não é por acaso que os russos consideraram sempre seus poetas como guias espirituais, como os "depositários da verdade". 

     Até mesmo esse sutil poeta lírico, Puchkin, escreveu apelos inflamados que constituíram verdadeiras regras revolucionárias para a juventude progressista do seu tempo.  Ainda que aquelas ideias não sejam mais novidades, aqueles apelos não envelheceram e contém muitas verdades para nossa geração.   

          Alexandre Block, esse mago da poesia intimista, esqueceu-se muitas vezes do eterno mistério da natureza que o apaixonava - a mulher - para levantar sua poderosa voz de poeta em defesa do seu povo.   

          E o grande Maiakovski, que encarnou todas essas tradições na sua gigantesca personalidade de poeta revolucionário, afirmava valer sua pena mais do que uma baioneta.   

          Na Rússia, todos os tiranos  tiveram nos poetas seus piores inimigos. Temeram Puchkin. Tremeram diante de Lermontov. Tiveram medo de Nekrasov.  

          Precisamente, Nekrasov, foi quem lançou num de seus poemas esta célebre fórmula : 


Ser poeta não é obrigação
Ser cidadão é teu dever.


          Eu me sentia encarnando os dois: poeta e cidadão.  Eis porque ansiava deixar o refúgio da poesia lírica, na qual me havia encerrado desde a morte de Stalin.  Não me sentia com o direito de cultivar o jardim japonês da poesia intimista.  Parecia-me imoral decantar a natureza, as mulheres e as dúvidas interiores, quando as pessoas à minha volta estavam esmagadas.

          O exemplo dos grandes poetas russos me provava que essa decisão não implicava nenhum sacrifício artístico.

          ...........................................................................................

______________________________________
Texto transcrito das páginas (84 e 85) 
do livro AUTOBIOGRAFIA PRECOCE, 
de Yevtushenko, editado no Brasil, em 1987,
com tradução de Caio Fernando Abreu.